O saber prático e o ensino profissionalizante para os trabalhadores do Rio de Janeiro - Brasil

Autores: 
Simoni Lahud Guedes
Tipo de material: 
Artigo

 A partir de etnografias que venho realizando com trabalhadores da região metropolitana do Grande Rio de Janeiro, pretendo discutir, em primeiro lugar, a importância atribuída por eles ao que denominam a “prática” ou o “saber prático”, considerado como atributo distintivo dos trabalhadores que opõem à “teoria” ou “saber teórico”, a que julgam não ter acesso. A oposição distintiva “prática X teoria” desdobra-se em diversos contextos discursivos como eixo de organização de experiências de vida e na orientação efetiva de movimentos no processo de construção de novos trabalhadores. Esta concepção vai presidir as formas de transmissão de saberes registradas entre eles, no interior das quais circulam valores, idéias, habilidades, éticas e etiquetas específicas.
É neste contexto simbólico, um dos eixos centrais da cultura de classe trabalhadora, que deve ser compreendido o modo como se apropriam das escolas profissionalizantes. Pretendo assim, em segundo lugar, discutir os significados da escolas profissionalizantes para os trabalhadores, buscando contribuir, por esta via, para a reflexão sobre os modos como compreendem os diferentes processos de qualificação que lhes são oferecidos. Nesta discussão, destacarei a apropriação que fazem das instituições constituídas pelo capital, em geral através do Estado, para a qualificação dos trabalhadores, visando delinear, da perspectiva dos trabalhadores, suas potencialidades e limites.